quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Uma "pausa" no underground...


Envolto em pensamentos, reflexões, nostalgia (que tanto me persegue nos últimos dias) e sentimentalismo exagerado, me peguei ouvindo (mais uma vez) e atentando aos ritmos que haviam sido deixados de lado... Não que eu seja preconceituoso com relação a música (quem me conhece sabe que é o extremo oposto, pois sou conhecedor e favoreço sempre as boas artes, não me permitindo rotulações, etc.) mas meu estado de espírito apenas me permitiu um sincero reencontro com o sempre acolhedor underground (embora ninguem possa viver dessa desgraça). Enfim vamos lá... O motivo desse post de hoje é tentar compartilhar um pouco com os meus iguais (e eventuais leitores desse blog absurdamente visitado ?!?) uma das experiências mais gratificantes do ano de 2010 (até o momento, aquele que chamo de "O ano das decepções" - Deatlhe: ainda estamos em janeiro.. medo. muito medo !!!) que foi exatamente o apreço adquirido pelas cantorias e sertanias, no que compreende ao regionalismo tão esquecido por nós "seres supremos e ditadores culturais" habitantes da região sudeste. Esse meu "flerte" com as diversas culturas de nosso país já vinha de algum tempo, porém, após despertar um pouco mais minha curiosidade a respeito desse universo, descobri a magnitude do mesmo e a pluralidade de seus representantes artísticos.
O vídeo apresentado para ilustrar um pouco disso tudo foi escolhido não apenas pela música em si mas também por todo o contexto em que está inserido. Impressionante como a melodia (tanto da voz quanto do violão) combina com a paisagem e seus personagens... De fato o vínculo entre o violão sertanejo apresentado e as melodias medievais não é mera coincidência (mas isso já é tema para outro post futuro quem sabe, pois é uma longa história).
Sem mais explicações... A quem interessar possa, segue o vídeo para apreciação.

Fabio Paes / Raimundo Monte Santo - canção: Saudade do Mar

http://www.youtube.com/watch?v=P2F9PHJQ9Bs

Por algum motivo que desconheço, o link acima foi inutilizado. Favor utilizar esse:

http://www.youtube.com/watch?v=V1ikJkO2_-I

- Barbudo -

4 comentários:

  1. Barbudo - com todo respeito - de onde você tirou "isso"? Não que eu não tenha gostado, mas é "impossível" imaginar-te flertando com tal estilo... Logo você, a quem eu tinha como uma grande referência do puro metal...
    Absurdistas, de olho nesse rapaz. Ele não anda muito bem ...

    ResponderExcluir
  2. Na verdade, o metal está no meu sangue (já comprovei isso em agências bancárias onde, entrando de bermuda, camisa e havaianas, sem chave, celular ou nada além, fui surpreendido pelo detector de metais). Mas ao mesmo tempo gosto muito das artes, da música - como sendo a primeira das sete - principalmente. Logo, concordo com a vossa surpresa...

    Obs: Espero surpreender novamente em breve, principalmente falando sobre músicas...

    - Barbudo -

    ResponderExcluir
  3. Estava lendo esse post somente agora...São quase 19:00hs da noite. E lágrimas rolam pela minha face.

    Não me contive e liguei para o meu amigo Barbudo e o mesmoe atendeu dizendo que estava na Rodoviária de Resende!

    "O Cantador que faz chorar, que faz o 7 sentidos navegar..."

    Graças a Deus, ao Cosmos, ao Absurdo que eu tenho um Barbudo como meu amigo! Graças meu pai, graças...

    "Ai que saudade de ouvir a voz do mar no Sertão..."

    Talvez ninguém irá entender esses posts, essa sinestesia...Isso são para poucos, isso é coisa de absurdistas!

    Cruz

    ResponderExcluir
  4. "E o gavião riu do sol, riu da saudade, riu do mar..."

    Sempre que escuto esse início interpreto de uma forma diferente... Porém nenhuma dessas interpretações ousa ser a defintiva, tudo sempre se renova...

    Nesse momento preciso confessar que invejo a sabedoria daqueles que conseguem rir da saudade...

    - Barbudo -

    ResponderExcluir